sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Funções x Vetores. Parte I (conceitos)

Antes de mais nada, gostaria de desejar um 2010 de muitas realizações e conquistas!

Vamos começar o ano falando sobre algo muito importante.
Eu estava esperando alguém perguntar. Mas já que ninguém perguntou... Eu pergunto.
É possível que uma função retorne um vetor?

A resposta é SIM e NÃO (rsrs).

Vamos entender o porquê disto.

No exemplo sobre vetores e funções que vimos até agora (aqui) sempre declaramos o vetor na função main e passamos por referência para as outras funções.
O que aconteceria se fizermos o contrário?
NÃO FUNCIONARIA!

Quando declaramos uma variável dentro de uma função (inclusive vetores), ela é local à função e não é visível por nenhuma outra função e, mais ainda, ela só existe enquanto a função está 'ativa'.
Mas por que funciona com a função main?
A função main é especial. Ela é quem coordena o funcionamento de todas as outras funções, e é a única função que está disponível do início ao fim da execução do programa (podemos ter várias chamadas a outras funções, mas a main só é chamada uma única vez, no início do programa, que começa por ela). Uma variável declarada na main (inclusive vetores) pode ser passada para qualquer outra função por referência, se assim for a vontade do programador.
Uma forma de contornar esta limitação imposta pela modularidade seria armazenando as variáveis em um local onde elas pudessem ser acessadas mesmo sendo declaradas dentro de uma função. Isso existe!
Para entender como isso é feito temos que explicar como o C trata a memória do computador. Observe a figura abaixo:



Olhando a figura podemos notar que o C 'divide' a memória que é usada por um programa em 3 partes distintas.
- A pilha, onde são armazenadas as variáveis locais;
- A memória estática, onde são armazenadas as variáveis globais;
- O heap, onde são armazenadas as variáveis alocadas dinamicamente. (???)


Variáveis alocadas dinamicamente
Imagine que tenhamos que armazenar um vetor que não sabemos que tamanho terá? Já vimos que geralmente se escolhe um tamanho que se considere razoável, que na grande maioria dos casos, é maior que o tamanho necessário.
Para resolver isto foi criada a alocação dinâmica.
Alocação dinâmica nada mais é que obter espaço na memória para uma variável (leia-se estrutura de dados) a medida que ele for necessário.
Como vimos na figura acima, o espaço onde essas variáveis ficam armazenadas é um espaço separado.
Como já falamos, se sabemos o endereço de uma variável podemos ter acesso à ela, e o nome de um vetor 'corresponde' ao seu endereço.
No próximo post veremos como isto é feito na prática. Até lá

Um comentário:

  1. Alexandre Fernandes20 de abril de 2011 14:13

    Se eu criar uma função que retorne uma string e recebe como parametro um vetor tipo char, se eu criar um outro vetor tipo char dentro da função, tem como eu exibir o vetor criado dentro da função no programa principal.

    ResponderExcluir